Luso Academia

Início » Articles posted by cludionavalnaval10

Author Archives: cludionavalnaval10

Protótipo Hyliokeni

Protótipo hyliokyni é um sensor remoto controlador de voltagem, uma tecnologia espacial ainda em pesquisa desenvolvida por Santo Calvino em 2016, para poder obter todas informações da energia elétrica de um satélite espacial.
Com ela é possível controlarmos a voltagem recebida dos painéis solares de um satélite espacial, por meio de um radio controlador.
O protótipo Hyliokeni está constituído por 5 instrumentos eléctricos:

Válvulas eletroquímicas;

Interruptores automático;

Descodificador;

Temporalizador;

Antena.

As válvulas eletroquímicas, é a primeira parte do protótipo, que controla a passagem da corrente elétrica dos painéis do satélite. A corrente elétrica preveniente dos painéis solares primeiro passa por essas válvulas para dar uma voltagem desejada remotamente a partir da Terra.
A válvulas eletroquímicas é o dispositivo que controla a passagem da corrente eléctrica, através de sulfatos contidos nos recipientes de vidro. Cada recipiente representa a sua voltagem que ela vai deixar entrar para o satélite espacial.

Por meio do controlo remoto é possível ligarmos e desligar energia eléctrica. Cada interruptor nela contém sensores capazes de transformar sinais electromagnéticos em energia eléctrica que possibilita então mover os interruptores em longa distância da Terra até ao espaço.

Existe um pequeno descodificador no protótipo que tem a função de descodificar o sinal enviado a patir da Terra.
Essa tecnologia é apenas uma ideia de como serão controlados os painéis solares dos satélites angolanos nos próximos anos.
O protótipo funciona perfeitamente, mas ainda nunca não foi testado em órbita terrestre. Mas em 2019 este protótipo será lançado para o espaço em miniatura dentro de um nanossatelite para poder se realizar os testes.

Efeito Doppler

É uma mudança na frequência que se observa,
em função da velocidade do corpo que emite
a frequência. Sendo as ondas afectadas
pelo movimento .

Na figura acima podemos observar que o
comprimento de onda (λ) é menor para o observador B
mas com uma alta frequência de onda.
Mas para o observador A o comprimento de onda é
maior e a frequência de onda é baixa.
Os radares de trânsito emitem uma onda
eletromagnética contra o veículo e calculam o tempo
que ela demora a retornar (reflexão) desse modo é
possível determinar a velocidade dos veículos.
E dessa mesma forma Hubble descobriu que as
galáxias estão afastanfo-se umas das outras a uma
velocidade proporcional à distância que as separa.

Fórmula:

(Imagem: Fisica e vestibular)

Outro exemplo:

(Imagem: Info fisica)

Fontes: Curso de astronomia geral 1

https://www.infofisica.com/efeitodoppler/efeito-doppler/
https://www.google.com/search?kgmid=/m/02f2n&hl=pt-PT&kgs=dd7376d1686bb897&q=efeito+doppler&shndl=0&source=sh/x/kp&entrypoint=sh/x/kp

Importância da astronomia.

Neste vídeo eu (Cláudio Naval) falo um pouco sobre a importância da astronomia para as outras ciências, tecnologia e porque é tão importante sabermos mais sobre o universo que nos rodeia. Espero que gostem e que se inscrevam no canal para mais conteúdo audiovisual sobre ciência.

Cometas

Cometa é um corpo menor do sistema solar que quando se aproxima do Sol passa a exibir uma atmosfera difusa, denominada coma, e em alguns casos apresenta também uma cauda, ambas causadas pelos efeitos da radiação solar e dos ventos solares sobre o núcleo cometário. Os núcleos cometários são compostos de gelo, poeira e pequenos fragmentos rochosos, variando em tamanho de algumas centenas de metros até dezenas de quilômetros.

(Imagem do site http://www.cdcc.usp.br)

Nomenclatura dos cometas :

Periódicos: são cometas que possuem órbita elíptica bem alongada e geralmente voltam à vizinhança solar em períodos inferiores a 200 anos. Os nomes destes cometas começam com P ou de um número seguido de P.

Não periódicos: são cometas que foram vistos apenas uma vez e geralmente possuem órbitas quase parabólicas retornando à vizinhança solar em períodos de milhares de anos, caso retornem. Os nomes dos cometas não periódicos começam com C.

Extintos: são cometas que já desapareceram por terem impactado com outro astro ou se desintegrado em suas passagens muito próximas e frequentes do Sol. Seus nomes costumam ser alterados para começarem com a letra D.

Exemplo de alguns cometas

Cometa Halley

Oficialmente designado 1P/Halley, é um cometa periódico, descoberto em 1696 por Edmond Halley, visível na Terra a cada 74-79 anos. A sua última aparição foi em 1986, e o seu retorno está marcado para 2061.

Cometa Encke

O Cometa Encke oficialmente denominado de 2P/Encke, tem seu afélio próximo a órbita de Júpiter. O periélio esta dentro da órbita de Mercúrio. Foi descoberto em 1786 por Pierre Méchain , após o cometa Halley. Tem um núcleo estimado de 4,8 km.

Cometa West

O Cometa West foi um cometa que alguns especialistas consideraram na categoria de ” grande cometa “. Foi descoberto no ano de 1975 no dia 10 de agosto, foi descoberto fotograficamente por Richard M. West, no Observatório Europeu do Sul, e alcançou seu brilho máximo em março de 1976 , com uma magnitude de -3 para no seu periélio.

Qual é a sua origem, e o seu destino?

A vida média dos cometas não ultrapassa 10 milhões de anos. Acredita-se que os núcleos dos cometas estão vagando pelo espaço fora do sistema solar. Devido ao movimento do Sol ao redor do núcleo galático esses objetos são capturados pelo campo gravitacional do Sol e se transformam em cometas. Foi susposto na década de 50 por Jan Hendrik Oort (1900) existência de uma nuvem de cometas (Nuvem de Oort), próxima do Sol (em relação às distâncias galáticas), a cerca de 100.000 ua. Essa nuvem está distribuida de forma esférica ao redor do Sol. Sua origem pode ser os próprios restos do sistema solar, que se solidificou nessa região. Algumas anomalias gravitacionais provocadas pelas estrelas próximas, podem tirar alguns corpos de suas posições e esses serem atraídos pelo Sol. Ao entrarem em direção ao sistema solar, esses corpos poderão adquirir três tipos de órbita:

Parabólica e Hiperbólica – que se aproximam uma única vez do Sol e retornam ao espaço inter-estelar. São os cometas não periódicos.

Elíptica – são os cometas periódicos. Esse tipo de órbita é geralmente é provocada pela influência gravitacional dos planetas, pricipalmente Júpiter e Saturno, que têm a tendência de prenderem os cometas ao sistema solar.

Um cometa pode entrar em atividade centenas de vezes até morrer ou ficar inativo o que acontece quando a acumulação de pedras e cascalho cobre o gelo não permitindo o seu aquecimento e consequente evaporação.

Espero que tenham gostado de conhecer mais um pouco sobre um dos corpos menores do sistema solar. Gostou do artigo?! Comente, a sua avaliação é muito importante para nós.

Fontes: Origem dos cometas: http://www.cienciamao.usp.br/tudo/exibir.php?midia=esc&cod=_qualaorigemdoscometas

http://ensina.rtp.pt/artigo/cometas/

Conceito de cometas e a nomenclatura : https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Cometa

Créditos de imagem: http://www.eso.org/public/images/c-west-1976-ps/

https://thoth3126.com.br/cometa-sem-cauda-de-antigo-passado-do

Astronomia bear X Luso academia

Astronomia bear é uma página voltada para conteúdos científicos mas mais especificamente Astronomia. Em uma parceria com a Luso academia, eu Cláudio Naval(dono da página astronomia bear) irei postar conteúdos sobre astronomia neste blog , para que o leitor aprenda mais um pouco sobre o nosso universo.

Espero que gostem dos temas e que deixem sempre a vossa opinião acerca do artigo.

Cláudio Naval

Link para as paginas:

Instagram: https://www.instagram.com/astronomia_bear/

Facebook: https://m.facebook.com/ASTRONOMIABEAR/

YouTube: https://m.youtube.com/channel/UCqvNXhj_83HONlUkrmt8S5A

%d bloggers like this: